Navegação – Mapa do site

Texto integral

1Este número 22 da revista Cadernos de Estudos Africanos inclui três secções distintas. Uma que reúne artigos avulsos que abordam sob diferentes perspectivas disciplinares um conjunto variado de problemáticas e que vão desde as questões territoriais e identitárias à adivinhação, outra secção denominada “dossier” e que agrega artigos que problematizam as relações transnacionais em termos das suas implicações para a segurança internacional com o enfoque nos movimentos de população através de fronteiras entre Estados Africanos e entre Estados Africanos e Europeus e, por último, uma secção que reúne um conjunto de recensões a livros recentemente publicados sobre uma variedade de temáticas (questões étnicas, políticas, religiosas e identitárias) que se incluem dentro dos campos do saber a que esta revista se dedica.

2Estas diferentes problemáticas são analisadas em diversos contextos locais, nacionais e temporais ou através de enfoques mais globais e/ou comparativos (Eritreia, Moçambique, Cabo Verde, Mueda, África do Sul, mundo muçulmano, época colonial e época contemporânea são alguns exemplos) por autores de diferentes áreas científicas e nacionalidades e que estão em fases muito diversas do seu percurso académico.

3Assim, a revista abre com um conjunto de artigos avulsos. O primeiro, da autoria de uma investigadora do Centro de Estudos Africanos do Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL), Alexandra Magnólia Dias, intitula-se “The conduct of an inter-state war and multiple dimensions of territory: 1998-2000 Eritrea-Ethiopia war”; o segundo artigo, de Mário Artur Machaqueiro, investigador sedeado na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa e no Centro em Rede de Investigação em Antropologia (CRIA) designa-se “Islão ambivalente: A construção identitária dos muçulmanos sob o poder colonial português”; o terceiro e último artigo desta secção, que tem por título “O que é que a adivinhação adivinha?”, debruça-se sobre esta problemática em contexto moçambicano e é da autoria do antropólogo Paulo Granjo, investigador do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa.

4A segunda secção deste número da revista é dedicada ao tema “Desafios transnacionais de segurança em África no século XXI”. O tema é apresentado num texto introdutório da autoria da investigadora Alexandra Magnólia Dias, que propôs a organização do dossier sobre esta temática à direcção da revista. São três os artigos incluídos nesta secção: o primeiro, “Migration and security: Europe managing migration from Sub-Saharan Africa”, é da autoria de Stephan Dünnwald, investigador alemão sedeado no Centro de Estudos Africanos do Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL); o segundo artigo, escrito por Raquel Freitas, investigadora do CIES - Centro de Investigação e Estudos de Sociologia do Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL), intitula-se “Construção e desconstrução da relação entre migrações forçadas e desafios de segurança em África”; “Muros do Mediterrâneo: Notas sobre a construção de barreiras nas fronteiras de Ceuta e Melilla” é o título do terceiro e último artigo desta secção, da autoria de Patrick Figueiredo, investigador do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa.

5A última secção deste número da revista reúne um conjunto de recensões sobre livros recentemente publicados. A primeira recensão, da autoria de Samuel Weeks, estudante de mestrado em Antropologia Social e Cultural no Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, debruça-se sobre o livro dos consagrados antropólogos John e Jean Comaroff, intitulado “Ethnicity, Inc.” e editado em 2009. Gabriel Mithá Ribeiro, investigador do Centro de Estudos Africanos do Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL), escreve sobre a recente obra de Lucia van den Bergh (2011) “Porque prevaleceu a paz? Moçambicanos respondem”. A obra “Kupilikula. O poder e o invisível em Mueda, Moçambique”, do autor Harry G. West, é analisada por Inês Neto Galvão, estudante de mestrado em Antropologia Social e Cultural no Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa. A última das recensões apresentadas neste número da revista debruça-se sobre uma colectânea que reúne um conjunto de ensaios etnográficos que derivam de seis teses da primeira turma do mestrado interinstitucional em Ciências Sociais (2007-2009) entre a Universidade de Cabo Verde e a Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Esta obra, intitulada “Ensaios etnográficos na Ilha de Santiago de Cabo Verde. Processos identitários na contemporaneidade”, é analisada por Maria do Carmo Lorena Santos, investigadora no Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa.

6A diversidade temática, geográfica, disciplinar e geracional que este número da revista Cadernos de Estudos Africanos traduz, revela o dinamismo que os Estudos Africanos conhecem na actualidade e resulta de um esforço conjunto que toda uma equipa de trabalho tem desenvolvido de forma a promover a divulgação da revista, elevando simultaneamente os seus padrões de qualidade científica.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Ana Bénard da Costa, « Nota editorial », Cadernos de Estudos Africanos, 22 | 2011, 7-9.

Referência eletrónica

Ana Bénard da Costa, « Nota editorial », Cadernos de Estudos Africanos [Online], 22 | 2011, posto online no dia 31 Janeiro 2012, consultado o 26 Abril 2017. URL : http://cea.revues.org/471

Topo da página

Autor

Ana Bénard da Costa

A directora

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

Licença Creative Commons
O trabalho Cadernos de Estudos Africanos está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Topo da página