Navegação – Mapa do site
Recensões

Maria Elizabeth Lucas e Sérgio Baptista da Silva (Orgs.). Ensaios etnográficos na ilha de Santiago de Cabo Verde. Processos identitários na contemporaneidade

Maria do Carmo Lorena Santos
p. 190-194
Referência(s):

Maria Elizabeth Lucas e Sérgio Baptista da Silva (Orgs.). Ensaios etnográficos na ilha de Santiago de Cabo Verde. Processos identitários na contemporaneidade. Praia: Edições Uni-CV. Porto Alegre: Editora da UFRGS. 2009. 277 pp.

Texto integral

1Os artigos coligidos neste volume inaugural da série “Estudos Sociais Cabo-Verdianos” derivam de seis teses da primeira turma do mestrado interinstitucional em Ciências Sociais (2007-2009) entre a Universidade de Cabo Verde (Uni-CV) e a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Estes ensaios revelam bem a amplitude temática a que uma nova geração de investigadores cabo-verdianos se dedica, sem precisar de se deslocar do seu próprio universo geográfico. Porém, e o alerta é feito de antemão, este enfoque micro não descura o contexto que o enforma, antes percebe o local inserido na dinâmica regional, nacional e internacional. Ao longo dos vários artigos, percorremos assuntos como o turismo, a música, a imigração, o género, os rituais fúnebres ou as comunidades de rabelados, que se interligam através de um fio condutor que é a análise das questões locais e identitárias cabo-verdianas.

2O primeiro ensaio desta colectânea, da autoria de Flávia Santos, intitula-se “Construção patrimonial da Cidade Velha: usos políticos, turísticos e identitários”. A Cidade Velha foi declarada património nacional em 1990, mas foi a sua elevação a património mundial pela UNESCO e concomitantes perspectivas de desenvolvimento turístico que marcou uma viragem no processo de patrimonialização deste local. O ensaio problematiza este processo a partir de uma reflexão sobre os usos e significados que diferentes agentes atribuem aos bens patrimoniais, interrogando-se sobre quem constrói o valor patrimonial de um lugar e quais as razões e interesses subjacentes às escolhas que se fazem na produção de discursos sobre o património. A autora perspectiva esta questão de vários ângulos, revelando-nos as diferentes vozes que se cruzam nesta empreitada, repleta de tensões, conflitos e negociações e marcada por relações de poder desiguais. Moradores, Estado ou promotores turísticos discorrem diferentemente sobre a Cidade Velha, evidenciando-se as diferentes opiniões que têm sobre a questão basilar que perpassa esta análise do processo de patrimonialização, a saber, a questão da memória e da identidade nacional.

3O ensaio de Carmem Furtado tem como terreno o bairro Craveiro Lopes na cidade da Praia. A questão de partida é colocada logo no subtítulo: “bairro de músicos e músicos do bairro – a diferença que o bairro faz ou a diferença que a música faz?”. A autora procura compreender como o bairro se foi constituindo num universo social cujos membros, além da identidade de músicos, compartilham um sentimento de pertença a esse espaço territorial. Enquadrando histórica e politicamente a passagem de uma hegemonia da morna enquanto expressão musical cabo-verdiana para o despontar de outras manifestações musicais, como o batuque e o funaná – que só tiveram reconhecimento após a independência nacional e que tinham uma conotação revolucionária e africanista – a autora dá conta das várias transformações no panorama social e musical do país que acompanharam as estratégias de diferenciação e distinção dos moradores do bairro em relação a outras localidades. Os músicos do bairro assumem-se como protagonistas destas transformações musicais e sociais que encontram no mundo artístico o dispositivo da sua promoção, reafirmando assim a valorização e o reconhecimento do seu espaço de pertença. Um ponto que a autora não descura é a operacionalização das redes de relações (familiares, de amizade e vizinhança) que são determinantes na forja destes processos.

4Eufémia Rocha dirige o seu olhar analítico para os imigrantes da costa ocidental africana a residirem na Praia, denominados de mandjakus pelos cabo-verdianos. Ainda que mandjaku designe um grupo étnico da África Ocidental, na Praia, e em Cabo Verde em geral, esses estrangeiros são vistos como um grupo homogéneo. Todavia, têm proveniências étnicas e geográficas distintas e são portadores de diversas visões do mundo. Existe pois uma grande heterogeneidade no seio desta comunidade migrante. A autora tenta descortinar de que forma é que estes imigrantes percepcionam a sua racialização e para isso concentra a sua atenção num traço comum a todos eles, que é o tema chave que guia a análise: a emigração. A partir das trajectórias de vida de alguns destes migrantes, ficamos a saber que as suas razões e motivações para emigrar são várias e não se resumem a carências económicas – nalguns casos não passam sequer por elas. Os factores que desencadeiam a emigração podem ser antes o deslumbramento pela ideia de viajar e conhecer o mundo, dar continuidade à actividade comercial da família ou mesmo a autonomia relativamente a esta. Em muitos casos existe uma valorização do movimento e um sentimento de privilégio por emigrar que nada tem que ver com uma posição de marginalidade ou pobreza, que tantas vezes é tomada como a causa da mobilidade destes imigrantes mandjakus.

5O ensaio de Carla Carvalho, intitulado “Fornadja, campo e casa: espaços em transformação”, foca o caso da comunidade rural da Ribeira de Principal, conhecida como a ribeira das fornadjas (espaço de produção de grogue constituído por alambiques e trapiches – engenhos de moagem da cana-de-açúcar). Em tempos a fornadja era um espaço de produção masculino mas, à medida que os homens emigravam ou ingressavam noutras ocupações, as mulheres apropriavam-se das fornadjas e do trabalho agrícola. A autora levanta a hipótese de a emigração masculina afectar quer o espaço social público, quer o familiar, conduzindo a uma redefinição da posição da mulher nas relações de poder nestes contextos. Hoje, a mulher já não é uma mera ajudante do membro masculino, é produtora de grogue, dirigindo todo o processo produtivo. Esta alteração da ordem das coisas teve implicações nas relações entre homens e mulheres e na construção simbólica dos sujeitos sociais de Ribeira de Principal. Duas arenas de acção coexistem dialecticamente nestas reformulações identitárias: o espaço doméstico e privado da casa, por um lado, e o espaço colectivo e público do trabalho, por outro. Assiste-se a uma renegociação dos papéis sociais de género, o que não pressupõe um rompimento total com a estrutura de poder vigente. Há, é certo, uma maior flexibilidade, mas esta não ameaça a hegemonia masculina no foro doméstico. A fornadja, além de ser uma estratégia de aprovisionamento, é também uma forma de resistência das mulheres às concepções culturais e sociais que as confinavam ao espaço privado. Assim, a sua participação activa no espaço público viabiliza um empowerment da sua própria posição social.

6Txoru falado e txoru cantado: representações sociais da morte no espaço rural de Achada Falcão” é o mote de Maria Madalena Correia para a análise dos motivos e significados do choro, enquanto ritual da morte, no espaço rural de Santiago. O choro é uma prática sociocultural no ritual fúnebre, entoado por familiares, amigos e vizinhos, e podendo ter destinatários diferentes: o falecido, os antepassados ou os vivos. O pranto é predominantemente feminino e existem diferentes formas de chorar, que são avaliadas por terceiros, mas todas elas obedecem a um modelo que oscila entre momentos de pausa e momentos de choro intenso. As avaliações e os juízos que são feitos sobre as famílias e a intensidade das relações das carpideiras com o defunto dependem do sucesso performativo do seu pranto. O choro não é um mero pranto. As pessoas tecem no choro comentários improvisados do seu quotidiano e passam informações sobre o tipo de pessoa que era o falecido, regra geral abonatórias, e sobre o tipo de relacionamento interpessoal que tinham com ele. Através do choro mandam-se recados aos antepassados mas também aos vivos. O choro é também o cumprimento de uma obrigação social. Mas uma obrigação que tem as suas regras e os seus interditos rituais com um significado simbólico associado. O cariz performativo destes rituais demonstra bem como os estados emotivos são regulados por convenções sociais.

7Maria de Lourdes Gonçalves apresenta-nos uma análise sobre a (re)formulação identitária das comunidades rabeladas de Santiago. Ser rabelado, na óptica do grupo, não significa ser revoltoso ou rebelde, como veiculam as visões exteriores, mas antes fazer parte dos revelados, os escolhidos de Cristo, cuja missão é revelar a palavra sagrada. Se na origem da sua formação, a resistência às missões evangelizadoras e sanitárias foi um marco identitário, hoje há uma permeabilidade maior à sociedade envolvente que põe em causa as anteriores resistência e marginalidade. A autora foca os recentes processos de transformação social e identitária que hoje decorrem nesta comunidade e propõe-se analisar as portas ou pontes, criadas ou impostas, que possibilitam aos membros do grupo participarem noutras arenas sociais, ampliando redes de ligações intra e extra comunidade. Nos termos em que a própria autora o coloca, este é um estudo das margens e das suas relações com o centro. Hoje, certas aberturas da parte dos rabelados (como novos hábitos de consumo e estilos de vida por parte dos jovens) e a actual intervenção de agentes externos (como o governo, através de políticas de saúde e educação) acarretam reconfigurações das relações sociais que os aproximam das estruturas institucionais. As alterações nos códigos tradicionais parecem, segundo a autora, ameaçar a reprodução social do grupo e a identidade de resistência que caracterizou outrora a comunidade rabelada. Mas importa notar que as identidades se modificam conforme as conjunturas históricas e políticas e que os rabelados, consoante os contextos, são exaltados ou marginalizados. Se durante muito tempo foram perseguidos, presos e deportados, agora o seu valor é defendido, por agentes externos e internos, apelando-se muitas vezes à sua preservação como património histórico e cultural. Assim, a categoria “rabelado” vem assumindo novos significados, o que demonstra bem a dinâmica e a fluidez que caracterizam os processos de formação identitária.

8Este livro destaca-se pelo seu forte pendor etnográfico e tem o mérito de divulgar uma panóplia variada de investigações que se debruçam sobre questões centrais da antropologia. O seu carácter pioneiro no campo da etnografia cabo-verdiana revela o vigor e as potencialidades de um campo disciplinar que começa a florescer e a ganhar forma em Cabo Verde. Mas como é natural, há nestes processos de amadurecimento arestas a limar. Em alguns ensaios existe um excesso de citações etnográficas que por vezes satura o texto com informações redundantes. Noutros deparamo-nos com a repetição da mesma ideia em detrimento de uma maior problematização teórica ou da afinação de certos conceitos utilizados acriticamente. Ao nível da narrativa, por vezes o argumento é pouco explícito ou as citações utilizadas nada ilustram, o que se deve certamente aos cortes feitos nas teses de origem. E em certos casos a leitura não é fluida, quer porque a estrutura narrativa está fragmentada, quer por incorrecções de escrita ao nível gramatical. Uma revisão editorial mais cuidada teria sido útil, e teria evitado também algumas falhas de ordem formal: alguns títulos dos ensaios diferem do cabeçalho do artigo para o índice do livro e existem referências bibliográficas no curso do texto que depois não aparecem na bibliografia final.

9Não obstante, no cômputo final, a publicação deste livro é uma iniciativa muito meritória, na medida em que traz à estampa o resultado do trabalho de uma nova geração de cientistas sociais cabo-verdianos que se vislumbra promissora.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Maria do Carmo Lorena Santos, « Maria Elizabeth Lucas e Sérgio Baptista da Silva (Orgs.). Ensaios etnográficos na ilha de Santiago de Cabo Verde. Processos identitários na contemporaneidade », Cadernos de Estudos Africanos, 22 | 2011, 190-194.

Referência eletrónica

Maria do Carmo Lorena Santos, « Maria Elizabeth Lucas e Sérgio Baptista da Silva (Orgs.). Ensaios etnográficos na ilha de Santiago de Cabo Verde. Processos identitários na contemporaneidade », Cadernos de Estudos Africanos [Online], 22 | 2011, posto online no dia 26 Janeiro 2012, consultado o 26 Abril 2017. URL : http://cea.revues.org/413

Topo da página

Autor

Maria do Carmo Lorena Santos

Instituto de Ciências Sociais - Universidade de Lisboa

carmodaun@gmail.com

Topo da página

Direitos de autor

Licença Creative Commons
O trabalho Cadernos de Estudos Africanos está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Topo da página