Navegação – Mapa do site
Artigos
Segunda Parte

Emergência e Desenvolvimento - duas realidades distintas. Consequências no terreno: "Querer e Fazer" em Sao Tomé e Principe

Susana Almeida
p. 133-139

Texto integral

1O propósito desta curta contribuição é descrever a experiência de um grupo de estudantes de medicina da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa na elaboraçao, planifcaçao e realizaçao pratica de um projecto de epidemiologia no contexto africano, designado “Querer e Fazer”. Este projecto nasceu da experiência prévia deste grupo na participação em projectos desenvolvimento em Portugal, que tinham já uma componente internacional, africana. O que nos motivava era, por um lado, ganhar experiência em saúde pública para lá do campo estrito da medicina e, por outro, adquirir experiência e conhecimentos em realidades sociais e culturais não portuguesas.

2Graças à mediação e ao apoio do Prof. João Luís Baptista, o Departamento de Saúde Pública da Universidade Nova aceitou colaborar o projecto e envolveu este grupo de estudantes num trabalho prévio, e para nos essencial, de refexao crítica sobre os fundamentos teóricos e as metodologias de projectos anteriores de desenvolvimento e ajuda humanitária portuguesa em África, o que implicou também refectir sobre os objectivos defnidos para o projecto em que tínhamos colaborado anteriormente, e sobre a qualidade dos seus resultados. A perspectiva deste passo prévio foi a de proceder a uma auto-crítica sobre o trabalho já desenvolvido e, sobretudo, sensibilizar-nos para a necessidade de modifcar o paradigma de intervenção, considerando as possibilidades de melhorar os métodos e objectivos do trabalho que tínhamos realizado.

3Este procedimento de analise e refexao permitiu-nos concluir que o paradigma que havíamos adoptado anteriormente, que afnal espelhava de certa forma um modo de proceder nesta área em Portugal, e que valorizava a realização de intervenções pontuais no terreno, e de partir em missão apenas em situações de emergência, impunha grandes limitações no que respeitava ao seu impacto e benefícios para as populações – na prática, era um paradigma que não funcionava. Decidimos então que a melhor possibilidade a explorar no sentido de alterar esta situação seria a de efectuar intervenções menos pontuais, com uma acção mais prolongada no terreno, deslocando para aí apenas os recursos humanos e fnanceiros estritamente necessarios. 0 conceito central desta proposta era que uma acção menos mediática e instantánea, ou seja, liberta dos condicionalismos da ajuda de emergência – muitos recursos, muito afã, e estadias curtas no terreno de missao - seria mais efcaz, mais solidamente fundamentada e com impactos mais duradouros.

4Optámos por iniciar o projecto em São Tomé e Príncipe, alargando-o posteriormente a outros países africanos de língua portuguesa. Esta escolha resultou das próprias condições sócio-político-sanitárias do país: São Tomé e Príncipe é um país muito carenciado no que respeita à situação sanitária, por falta de infra-estruturas, recursos e devido às próprias condições ambientais, mas que, paradoxalmente, nao é particularmente afectado por confitos violentos, guerras civis ou outros problemas de instabilidade político-militar que pudessem justifcar esta situaçao, ao contrario do que ocorreu noutros países africanos de expressão portuguesa. Essencialmente, era e continua a ser um país cujos recursos de saúde são muito limitados, com um muito baixo desenvolvimento económico, e onde faltavam dados epidemiologicos sufcientes para nos permitir identifcar e resolver os problemas existentes. A vários níveis, existia uma percepção básica e imprecisa das necessidades de intervenção, mas uma quase total ausência de dados quantitativos e qualitativos concretos e verifcaveis para estabelecer um quadro credível de análise e intervenção na área da saúde em São Tomé e Príncipe.

5Face a esta constatação, colocou-se-nos então a questão da selecção do ámbito específco do nosso projecto: tratando-se um país equatorial, com níveis muito elevados de temperatura e humidade, com condições de higiene tão rudimentares, a hipótese epidemiológica elementar e óbvia foi a de que existir uma grande propensão do meio para o desenvolvimento de parasitas: ao nível sanguíneo, era expectável que o infectante mais importante seria o conhecido parasita da malária; a nível intestinal, outros menos conhecidos mas com um forte potencial de causar danos, seriam as lombrigas ou as ténias. As doenças causadas por estes últimos parasitas são em Portugal muito pouco expressivas, mas em países com as condições que se verifcam em Sao Tomé e Príncipe - bem como em muitos outros países africanos - podem, realmente causar grandes impactos sobre a saúde pública.

6Estes parasitas, causadores das chamadas doenças parasitóides intestinais, crescem, vivem e reproduzem-se tanto no intestino como no meio ambiente, preferencialmente em zonas de elevada temperatura e humidade como os países equatoriais, e com uma maior prevalência em ambientes com más condições higieno-sanitárias. Em São Tomé e Príncipe, sabíamo-lo já, parte substancial da população reside neste tipo de condições, em cabanas, partilhando os espaços de habitação com animais domésticos, em que as crianças, que passam o dia na cabana brincam nos locais onde os animais deixam as fezes, pelo que é muito fácil que o parasita se aloje nos seus intestinos.

7Tendo em consideração a prevalência deste tipo de parasitas - intestinais - e tendo também em conta que as crianças estão particularmente expostas ao parasita, a nossa preocupação centrou-se nos efeitos que estes, e por consequência as parasitóides intestinais, tinham na vida e sucesso escolar destas crianças, já que se sabe que estas doenças causam anemias, as quais originam fraqueza muscular e a uma consequente diminuição das capacidades cognitivas, com consequências óbvias sobre a capacidade de aprendizagem.

8No fundo, o raciocínio que foi a base do nosso projecto era o seguinte: se conseguíssemos intervir num ponto-chave desta cadeia e, assim, melhorar a qualidade de vida e de aprendizagem das crianças São-Tomenses, essa seria, desde logo, uma medida concreta do sucesso do projecto. O problema que, através deste projecto, procurámos resolver foi o das anemias provocadas por parasitas no intestino das crianças das escolas primárias de São Tomé e Príncipe.

9Estabelecidos os objectivos e recolhida a informação prévia possível, partimos então para a sua concretização prática, o que constituiu para nós fonte de uma constante aprendizagem: actualmente, os nossos processos de trabalho estão já sistematizados, mas na altura não. Foi no terreno que fomos aprendendo, desbravando caminho. Em primeiro lugar, estabelecemos como prioritário, ainda em Portugal, considerar o máximo de hipóteses prévias e estabelecer protocolos de actuação; seguidamente, foi necessário viabilizar o projecto, sendo que o grande ensinamento neste aspecto é a necessidade de sermos insistentes e persistente na busca de fnanciamento e de apoios, dado que, existindo fundos disponíveis para este tipo de iniciativas, é necessário fazer um trabalho de explicação e de promoçao séria do projecto proposto junto das diversas entidades fnanciadoras. Tendo algumas instituições aceite fnalmente fnanciar o projecto, confrontamos entao uma questao especialmente relevante: defnir e preparar os termos da nossa intervenção no terreno, dado que é importante considerar a necessidade de garantir o contacto e o apoio das autoridades sanitárias e administrativas de São Tomé e Príncipe, apresentar-lhes o projecto escutar as suas críticas e recomendações.

10Merece a pena referir alguns aspectos relacionados com o problema da implementaçao local da acçao que desenvolvemos e as difculdades inerentes a este processo. A nossa opção de inserção foi em São João de Angolares, Distrito de Caué, dado que este era o distrito que, em São Tomé e Príncipe, apresentava as piores condições higieno-sanitárias, em parte devido às fragilidades sócio­económicas do meio. Seleccionámos um grupo de crianças em idade escolar, que frequentavam a escola primária local, com um intervalo de idades que iam sensivelmente dos seis aos doze anos. Esta era, naturalmente, a primeira etapa do processo de trabalho: seleccionar a população junto da qual iríamos intervir, para podemos, numa segunda etapa, medicá-la convenientemente.

11Efectuámos um estudo de dois tipos de agente anti-parasitário, estabelecendo três grupos de crianças, procedendo à recolha das fezes, que as crianças entregavam num tubo previamente distribuído, para conseguir desta forma estudar os tipos de parasita existente e defnir a terapèutica a empregar, administrando as diferentes terapêuticas e registando os dados da medicação fornecida a cada indivíduo. Por fm, estudamos os níveis de hemoglobina, recolhendo o sangue de todas as crianças para, através de um hemoglobinómetro portátil, medir os valores de anemia. Mais tarde, três semanas após esta primeira intervenção, voltámos a recolher os novos frascos de boiões com fezes, que tinham entretanto sido entregues, para podermos avaliar a efcacia da medicaçao, e qual tinha sido a formula mais efcaz.

12A nossa principal estratégia de controlo era sobretudo, para além deste processo de recolha e análise de sangue, a formação dos professores. Foi fundamental reunir o grupo de professores que, nas escolas primárias, actuava sobre estas crianças, de modo a realizar formação na área dos cuidados básicos (como lavar as mãos, como lavar os alimentos, etc.), incutindo estas noções aos professores e, por transferência, às crianças.

13Neste aspecto específco que foi a formaçao dos professores, pudemos contar com o precioso apoio do Departamento de Educação Médica da Faculdade, e em particular da Dra. Patrícia Rosado Pinto, que nos ajudou a elaborar os manuais que levámos para o terreno para distribuir aos professores, no sentido de adequar os manuais ao contexto São-Tomense, através da criação de uma simbologia facilmente compreensível para a identifcaçao dos fecais.

14No que respeita aos resultados, importa notar que o projecto se iniciou em 2000, e começámos a obter os primeiros resultados em 2001. O valor inicial de detecção de crianças infectadas com parasitas intestinais rondava os 80%, que apresentavam valores de anemia de 7.9, ou seja, sinais claros de prevalência de anemia grave na população. No ano de 2002, os resultados diminuíram de forma tímida, sendo que encontrámos 76% das crianças com parasitas intestinais, com uma anemia ligeiramente mais baixa, e com os níveis de hemoglobina sanguínea moderadamente mais elevados que no início. Em 2003, os valores de infecção tinham baixado para 64% de crianças com parasitas, e já com anemia moderada. Este processo continuado que, como sublinhei, foi decorrendo ao longo de vários anos, veio demonstrar a necessidade de desparasitar as crianças ao longo do ano, continuamente, proporcionando-lhes assim melhores condições de vida, de aprendizagem, segundo um critério óbvio: a redução do número de parasitas resulta em menos anemia, e consequentemente em aumento das capacidades de aprendizagem.

15Actualmente, este projecto foi assumido pelo Ministério da Saúde de São Tomé e Príncipe, que procede à desparasitação contínua das crianças, sendo a nossa intervenção sobretudo de apoio e aconselhamento, mas também de financiamento para a aquisiçao e distribuiçao dos medicamentos, uma verba de cerca de 380 euros por ano que, sendo um valor muito baixo (pouco mediático, diria), tem efeitos reais na vida das populações abrangidas - neste caso, as crianças do Distrito de Caué, na ilha de São Tomé.

16Este projecto foi, como disse, desenvolvido e realizado por alunos da Faculdade de Ciências Médias, com o apoio do Departamento de Saúde Pública. Tivemos especial atençao à necessidade de defnir quais os parámetros de avaliação da validade do projecto, sendo que esse parámetro foi, no caso descrito, a hemoglobina: medindo a hemoglobina, verifcando que esses valores estavam a subir, e que os valores da anemia estavam a descer, pudemos concluir que este projecto estava a ter êxito efectivo e concreto.

17Neste momento, não nos parece possível diminuir mais os valores de anemia, dado existirem outros factores externos que a causam, mas cuja resolução está fora das nossas possibilidades de intervenção; existem algumas ONGs a trabalhar no país há cerca de vinte anos, o que no nosso caso é impraticável, dado que, por razão da nossa própria formação e falta de verbas, apenas conseguimos partir para o país por períodos de um mês em cada ano. Dentro das suas limitações, é possível dizer que este é um exemplo de um projecto de desenvolvimento exequível, que foi assumido pelas autoridades locais, e em que participamos actualmente gerindo a sua avaliação, indo ao terreno de forma regular mas espaçada, avaliar os resultados, medindo os valores da hemoglobina das crianças em causa, e verifcar a sua evoluçao, e, se necessario, modifcar algum procedimento de forma a manter a efcacia do projecto.

18Em conclusão, importa dizer que, do ponto de vista de um estudante, este tipo de projectos é muito relevante em termos de formação, dado proporcionar­nos contacto próximo com realidades distintas e, para muitos de nós, médicos, desconhecidas. Em Portugal, somos sobretudo preparados para analisar ressonáncias magnéticas, TACs e outro tipo de exames que requerem tecnologia avançada; no contexto São-Tomense, confrontamo-nos com uma medicina muito diferente, que consiste muitas vezes em ensinar gestos tão básicos como lavar as mãos e os alimentos.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Susana Almeida, « Emergência e Desenvolvimento - duas realidades distintas. Consequências no terreno: "Querer e Fazer" em Sao Tomé e Principe  », Cadernos de Estudos Africanos, 15 | 2008, 133-139.

Referência eletrónica

Susana Almeida, « Emergência e Desenvolvimento - duas realidades distintas. Consequências no terreno: "Querer e Fazer" em Sao Tomé e Principe  », Cadernos de Estudos Africanos [Online], 15 | 2008, posto online no dia 03 Fevereiro 2012, consultado o 22 Julho 2017. URL : http://cea.revues.org/377 ; DOI : 10.4000/cea.377

Topo da página

Autor

Susana Almeida

Centro de Investigação em Saúde Comunitária (CISCOS)

Topo da página

Direitos de autor

Licença Creative Commons
O trabalho Cadernos de Estudos Africanos está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Topo da página