Navegação – Mapa do site
Artigos
Segunda Parte

Emergência e Desenvolvimento - duas realidades distintas.Consequências no terreno: "Querer e Fazer" em Cabo Delgado

Ana Glória Fonseca
p. 141-145

Texto integral

1Este pequeno texto baseia-se na minha experiência pessoal enquanto participante do projecto Querer e fazer, da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa, o qual acompanhei desde o seu início, enquanto aluna desta Faculdade. Vou abordar, muito especifcamente, uma acçao que o projecto desenvolveu em Cabo Delgado, a província mais setentrional de Moçambique, fazendo fronteira com a Tanzánia, e cuja capital é Pemba. A província de Cabo Delgado era, e continua a ser, uma das províncias mais pobres de Moçambique, onde a acessibilidade aos cuidados de saúde básicos é de muito difícil acesso, a rede sanitária muito diminuta, e onde problemas de todo o tipo se multiplicam e acumulam, com um efeito de dominó na saúde pública. Complementarmente, possui particularidades culturais muito próprias, sendo que a maior parte da sua população recorre habitualmente a curandeiros e à medicina tradicional para resolver os seus problemas de saúde.

2Apesar de não existirem muitos dados concretos nem estudos aprofundados sobre quais os mais graves problemas de saúde pública em Moçambique, sabe-se que, em países com estas condições específcas, a flariase linfatica é costumeiramente um dos mais importantes. Na altura em que o projecto se iniciou, não se sabia muito sobre esta situação naquele país: os estudos realizados sobre flaríase linfatica datavam das décadas de 1960-70, com alguma informaçao pouco consistente sobre a década de 1980, mas eram estudos muito circunscritos, nao incidindo especifcamente sobre a província de Cabo Delgado. Ainda assim, várias províncias de Moçambique, e entre elas Cabo Delgado, haviam sido, de forma algo empírica, identifcadas pela Organizaçao Mundial de Saude como sendo uma área endémica.

3A flarase linfatica nao é uma situaçao aguda mas sim uma infecçao cronica, e é por esta razão que daí resultam complicações, com impactos mais claros do ponto de vista socio-cultural do que propriamente em termos de risco imediato para a vida da pessoa infectada: as consequências desta doença podem conduzir a estigmatização social, a incapacidade temporária ou permanente para o trabalho, e também pelas alterações morfológicas que provoca no corpo do indivíduo, já que causa desfguraçao física cronica. Para que possamos ter uma ideia basica do problema, noto que esta doença produz imagens exuberantes, em consequência da obstrução linfática (a chamada elefantíase), o crescimento desmesurado de membros do corpo humano, com uma textura que lembra a pele dos elefantes – razão pela qual também se chama aos portadores desta doença “homens­elefante” e “mulheres-elefante”.

4A infecção é causada por um parasita: o nematóide. Há nela a interferência de um vector, um mosquito específco que transfere o parasita para o homem; assim, no ciclo de vida da flaria ha uma fase humana e uma fase do mosquito: o mosquito infecta o homem na picada, na sua habitual refeição, depois, já no homem, a flaria cresce e desenvolve-se, e cria um problema infamatorio cronico na rede linfática, problema esse que interfere com os processos de drenagem do corpo humano. Depois, num segundo momento, os mosquitos que picam indivíduos infectados absorvem as flarias e assim por diante, num ciclo vicioso.

5Tendo isto em consideração, propusemo-nos conhecer era os números de flaria em Cabo Delgado, nunca esquecendo que o nosso procedimento teria de ser muito simples, dado que os recursos disponíveis não eram muito elevados. Propusemo-nos então começar por analisar os livros que continham os registos hospitalares: escolhemos os principais hospitais da província, a saber, o hospital provincial de Pemba e três hospitais distritais. Analisando os registos hospitalares existentes nestes hospitais, abrangendo um espaço de seis anos, verifcamos quantos casos de hidrocele tinham sido identifcados, tendo como critério que, numa região considerada endémica, todo o testículo com um tamanho igual ou superior a uma bola de ténis deve, até prova em contrário, ser considerado um hidrocele.

6Todo este processo parece, em teoria, muito simples: ir a um arquivo, procurar os números e compilá-los. Não é, de facto, nada muito complexo. Contudo, deparamo-nos com muitas difculdades no terreno: os arquivos eram pouco convencionais, diferentes daquilo a que nós, em Portugal, entendemos por arquivo; um deles, por exemplo, situava-se junto a um tanque de água, o que levava a que fossemos regularmente envolvidos por verdadeiras nuvens de mosquitos enquanto procurávamos e analisávamos os registos; por vezes, os arquivos encontravam-se em salas de blocos operatórios, abandonados e degradados. Estes contratempos complicaram muito o processo de recolha de informação, dado que neste tipo de condições não é possível encontrar todos os registos referentes a cada ano, e a todos os locais. Ainda assim conseguimos apurar um total de 1437 casos de hidrocele ao longo dos seis anos em estudo, para os quatro hospitais, o que se verifcou ser um numero extremamente elevado.

7A partir da recolha, análise e interpretação destes números, tornou então possível delinear um plano de acção. Todo o processo de procura e recolha de dados foi realizado por estudantes, com um mínimo de recursos. Foi, em si, um projecto muito simples: os dados existentes sobre a flariase linfatica em Cabo Delgado eram, à altura, muito poucos, e este projecto foi apenas um contributo modesto para o melhor conhecimento dos problemas de natureza epidemiológica em Moçambique. Nao é obviamente um trabalho sufciente e encerrado, nem deve ser encarado como uma acção isolada: o trabalho foi desenvolvido na perspectiva de regressar no ano seguinte para avançar mais um pouco, de forma a, ao longo de vários anos, procurar manter os números sob controlo, e trabalhar a partir desses numeros para modifcar o panorama epidemiologico da regiao.

8O ponto essencial a reter desta experiência, creio, é o da importáncia de continuar o trabalho no tempo, de modo a termos uma noção do real impacto da doença, para efectuar uma vigiláncia epidemiológica e proceder, posteriormente, ao seu controlo de forma efcaz (convém nao esquecer que o combate a esta doença em África é, para a OMS, uma prioridade global).

9Por último, referiria dois aspectos que têm natural impacto sobre o sucesso deste tipo de projectos de apoio ao desenvolvimento: um, muito frequente, é a difculdade de conseguir assegurar formas de fnanciamento que nos permitam dar continuidade ao projecto de monitorização da doença, ao longo dos anos; ou seja, essa prioridade talvez não seja tão global como a OMS gostaria, nomeadamente nas percepções e sensibilização, em Portugal. Outro aspecto é o facto de, até hoje, nunca se ter conseguido levar a Moçambique uma equipa de cirurgia para, pelo menos para atenuar os casos que estão mais estigmatizados socialmente, casos que sao conhecidos, estao identifcados, e que continuam a causar grande sofrimento às pessoas atingidas pela doença.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Ana Glória Fonseca, « Emergência e Desenvolvimento - duas realidades distintas.Consequências no terreno: "Querer e Fazer" em Cabo Delgado  », Cadernos de Estudos Africanos, 15 | 2008, 141-145.

Referência eletrónica

Ana Glória Fonseca, « Emergência e Desenvolvimento - duas realidades distintas.Consequências no terreno: "Querer e Fazer" em Cabo Delgado  », Cadernos de Estudos Africanos [Online], 15 | 2008, posto online no dia 03 Fevereiro 2012, consultado o 29 Março 2017. URL : http://cea.revues.org/375 ; DOI : 10.4000/cea.375

Topo da página

Autor

Ana Glória Fonseca

Centro de Investigação em Saúde Comunitária (CISCOS)

Topo da página

Direitos de autor

Licença Creative Commons
O trabalho Cadernos de Estudos Africanos está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Topo da página