Navegação – Mapa do site
Artigos
Primeira Parte

Emoções, trauma e bom jornalismo

Mark Brayne
p. 31-46

Resumos

Mark Brayne é o director europeu do Dart Centre for Journalism and Trauma e foi durante trinta anos correspondente no estrangeiro e editor principal da Agência Reuter e da BBC World Service, trabalhando em Moscovo, Berlim Oriental e Ocidental, Viena, Pequim e Londres. Nos anos 90, formou-se como psicoterapeuta, e é agora formador e conselheiro no campo do jornalismo e trauma. Neste seu texto, aborda a importáncia de uma formaçao especifca adequada e de apoio psicosocial aos jornalistas que cobrem eventos traumáticos, nomeadamente em contextos culturais que lhes são estranhos.

Topo da página

Texto integral

Emoçôes, trauma e bom jornalismo

1Há, na perspectiva do Dart Centre for Journalism and Trauma, e é o que procurarei evidenciar aqui, amplo espaço para uma mudança da cultura jornalística do século XXI, no que respeita à cobertura noticiosa do sofrimento humano extremo e do trauma psicológico intenso.

2Quando as agências noticiosas enviam repórteres para cobrir acontecimentos na City de Londres, ou nos mercados fnanceiros em Frankfurt, espera-se que os mesmos consigam distinguir entre o FTSE e o Nasdaq. Dos jornalistas cobrindo uma partida de futebol também é de esperar que possuam um bom conhecimento da regra do fora-de-jogo. Contrastando com este cenário, os jornalistas enviados para cobrir histórias de trauma não possuem, geralmente, a mínima ideia do que possam ser consideradas as “regras” do trauma.

  • 1 Ver, por exemplo, o Daily Telegraph de 25.08.06, sobre a libertação de uma adolescente aprisionada (...)
  • 2 Ver, por exemplo, The Independent de 23.08.06, sobre a queda de um avião russo, a notícia dizia que (...)

3Muito frequentemente, os jornalistas que cobrem situações violentas como tiroteios, tragédias em pequenas comunidades, ou julgamentos envolvendo violência sexual, surgem diante da cámara discursando solenemente sobre como esta ou aquela vila, escola ou família não irá recuperar ou esquecer o trauma1.Informam-nos que existe “aconselhamento especializado”, mas poucos possuem algum real entendimento do que isso possa signifcar2.

4Imediatamente após a queda de um avião ou da explosão de uma bomba num autocarro, os jornalistas colocam os seus microfones e as suas questões junto à face dos sobreviventes em choque, ou dos seus familiares condoídos, perguntando sem pensar: “O que sente?” Falta-lhes, frequentemente, uma apreciação de quão inapropriada e dolorosa esta atitude pode ser. Não é pois surpreendente que a resposta que recebem seja, não poucas vezes, uma cascata de lágrimas, espasmos de dor ou manifestações de ira.

5As reportagens televisivas sobre a queda de um avião podem mostrar familiares histéricos num aeroporto, dilacerados por convulsões de dor, enquanto ouvem as notícias de que um avião atrasado se despenhou, vitimando toda a sua tripulação.

6Para além de mostrar aqueles que lamentam a perda dos seus entes queridos, as imagens revelam-nos um batalhão de repórteres e operadores de câmara, flmando e fotografando. 0 pequeno grupo de familiares esta literalmente cercado pelos jornalistas, cujo único aparente interesse é reportar o espectáculo de dor, que ilustrará um furo noticioso no horário nobre de um telejornal ou na primeira página de um periódico disponibilizado aconselhamento por psicólogos.”

7Outro exemplo. A mãe de uma rapariga assassinada num tiroteio entre gangs é entrevistada pela rádio. “Como se sente?” pergunta o jornalista. Com uma insensibilidade de cortar a respiração e num tom patético, o interrogador continua: "Qual pensa que deveria ser o castigo dos assassinos da sua flha? Pensa que o crime com armas de fogo se encontra fora de controlo?”

  • 3 BBC Radio 4, PM Programme, 09.10.2004.

8A mãe responde com dignidade. Mas facilmente conseguimos imaginá-la a querer responder: “Que raio PENSAM que eu estou a sentir?”3

9Mais um exemplo. Uma repórter de uma cadeia televisiva de notícias locais é incumbida, pelo seu supervisor, de visitar uma família enlutada. Um adolescente morreu, juntamente com os amigos embriagados num acidente rodoviário, numa auto-estrada próxima: “Arranja-me boas imagens e um bom depoimento”, diz­lhe o supervisor. E acrescenta: "e certifca-te de que apanhas mae a chorar."

10Em Inglaterra, damos a isto o nome de death knock [“o golpe da morte“], tradicionalmente visto como um ritual de passagem para jovens jornalistas em inîcio de carreira, de forma a verifcar se serao sufcientemente fortes para os futuros golpes emocionais que a profssao implica. Frequentemente, esta pode ser uma experiência muito perturbadora e traumática para o jovem repórter; a memória pode permanecer encravada no cérebro como uma espinha sob a pele, para o resto da sua vida – para não falar do impacto que este tipo de atitude tem sobre o familiar da vítima.

  • 4 Ver Dart Centre for Journalism and Trauma, 15.07.2005 htp://www.dartcenter.org/articles/head­lines/ (...)

11Jornalistas determinados em assegurar declarações e fotografas de fguras públicas num ataque bombista, ou num acidente rodoviário aparatoso, são muitas vezes conhecidos4 por se disfarçarem de médicos, ou por se apresentarem como familiares de vîtimas com fores em enfermarias de hospitais - enfm, a fazer tudo sem olhar a meios para conseguir uma “boa história”. Acontece recorrentemente serem descobertos e expulsos de locais de acesso reservado – mas não antes de assegurarem as suas fotos “exclusivas” e a frase sensacional que irá preencher as primeiras páginas do jornal no dia seguinte.

12Muitos editores, especialmente da imprensa mais popular, adoram promover este tipo de trabalho jornalîstico. Acreditam que fotografas de maes destroçadas, pais enraivecidos ou colegas de escola abalados, é exactamente aquilo que os leitores e espectadores querem. Apesar de todas as reservas éticas que possamos ter quanto à sua exploração mediática, há que reconhecer claramente que o trauma é bom para o negócio das notícias, na medida em que faz disparar audiências e vendas. Historias de violência, confito armado e tragédia - a experiência imediata, a preparação, as consequências – ocupam provavelmente 60-70% das notîcias. Como afrmou um dia um jornalista americano: If it bleeds, it leads (“Se há sangue, há notícia”).

13Esta é, claro, apenas uma vertente do jornalismo contemporâneo. Em paralelo com este tipo de cobertura insensível do trauma, são realizados trabalhos extraordinários, apaixonados, de repórteres e comentadores que valorizam a necessidade de delicadeza, visão e compreensão para quem se encontra profundamente afectado.

14Nunca é demais sublinhar que, independentemente do que possa pensar o público em geral, nem todos os jornalistas são abutres ávidos, que não olham a meios para conseguir uma história, mesmo que para isso tenham de devassar completamente a vida privada de outrem. No entanto, não é hoje já admissível que os jornalistas possam continuar a clamar que cobrir os factos é “apenas um emprego” e que lhes é legítimo ignorar o impacto mais vasto dessa cobertura. Como a propaganda, o jornalismo pode mudar o mundo para melhor ou pior – tal como a ciência pode ser utilizada para o bem ou para o mal (Lynch & McGoldrick 2005).

15Este é um argumento desconfortável, mas ao mesmo tempo que se encontram obcecados pela violência e pela tragédia, os jornalistas podem utilmente pensar nos cientistas que criaram o “Agente laranja” para uso do exército norte-americano no Vietname, ou nos cientistas alemães que criaram os mísseis-bomba, ou nos criadores das bombas atómicas usadas em Hiroshima e Nagasaki.

16Tal como agentes de destruição massiva, quem gera narrativas abusivas necessita, de, em certa medida, considerar a sua responsabilidade pela forma como as suas proprias criações podem vir a ser eventualmente utilizadas. Afnal de contas, o jornalismo constrói mais do que um primeiro esboço da história. Cria, nos seus consumidores, um “primeiro esboço” da consciência do mundo em que vivem, para lá do seu ambiente e experiência imediatas.

17Especialmente num planeta interconectado, em que os noticiários se processam durante as vinte e quatro horas de cada dia, em todos os aparelhos e em cada esquina, o jornalismo tem inegavelmente uma imensa responsabilidade na forma como a humanidade se relaciona consigo própria e com o planeta Terra. No início deste novo século, é imperativo que os jornalistas refictam sobre o valor da sua profssao, bem como na necessidade de a repensar.

18Esta crítica do jornalismo contemporâneo não é cega ao ponto de condenar os indivíduos ou organizações que perseguem uma agenda noticiosa de violência, medo e culpa. Até há poucos anos, poderíamos argumentar que as organizações noticiosas podem ser desculpadas por não saberem o que faziam. No interior da profssao jornalîstica, a atençao ao trauma e a verdadeira compreensao das consequências psicológicas da violência e da tragédia são, de facto, muito recentes.

o Dart Centre na Europa

19Mas actualmente tal informação existe, e os jornalistas e o jornalismo têm a agora possibilidade e a premência de a compreender, assim como assumir as diversas implicações desse conhecimento, e é isso mesmo que vem sublinhar a missão do Dart Centre for Journalism and Trauma (htp://www.dartcentre.org ).

20Os objectivos do centro na Europa são:

Providenciar um fórum e disponibilizar recursos para promover reportagens éticas, razoáveis e bem informadas sobre violência e tragédia;

Apoiar a formação de jornalistas e de estudantes de jornalismo no âmbito da psicologia do impacto traumático;

Desenvolver e promover o apoio organizacional e individual dos jornalistas e equipas que fazem a cobertura do trauma;

Finalmente, apoiar e disseminar investigações e boas práticas no campo do jornalismo e do trauma.

21Dito de outro modo, esta é uma agenda que envolve tanto o jornalismo do trauma como os jornalistas que o noticiam. Por um lado, hoje em dia os jornalistas precisam de compreender o tipo de acontecimentos que estão a cobrir; como entrevistar e como enquadrar a sua narrativa. Existe uma enorme necessidade de compaixão e visão, para educação e formação. Por outro lado, é também imperativo que os jornalistas e as suas organizações compreendam o impacto que a cobertura do trauma pode ter naqueles que “apenas” fazem esta cobertura ou lidam com este tipo de materiais - aquilo que noutras profssões de socorro e ajuda é denominado traumatização “secundária” – e a necessidade de estarem apoiados e preparados para este tipo de experiência (Pearlman & Maclan 1995; Palm, Polushy & Follete 2004).

22Quando falamos de histórias de trauma, não nos referimos apenas a guerras e catástrofes no estrangeiro, tal como a invasão do Iraque, um tsunami, a guerra no Afeganistão ou o massacre numa escola em Beslan. Também nos referimos às histórias vulgares, do dia-a-dia, mundanas, de sofrimento extremo que ocorrem muito mais perto de nossa casa. A sinistralidade rodoviária; o abuso de crianças; a violência sexual e as violações; os julgamentos de assassinos; distúrbios sociais; reportagens infltradas e agressões pessoais.

23Encorajamos os jornalistas a estar atentos ao impacto do trauma psicológico e como este pode atingir desde as vítimas e sobreviventes até aos jornalistas, amigos, comunidades locais e nações inteiras – em último caso, até mesmo aos reporteres e a quem lhes fornece apoio técnico e editorial. Por fm, também os colegas e família do repórter podem ainda sentir o longo alcance destes estilhaços.

24Regressaremos abaixo à que pode ser denominada a dimensão do que designamos como o duty of care [“dever de ajuda”] no âmbito das actividades do Dart Centre, mas convém referir em primeiro lugar algumas palavras sobre a história, tanto do conhecimento do próprio trauma e dos seus discursos, como da sua relação com o jornalismo.

Uma Breve Historia do Trauma

25Nos cursos de trauma para jornalistas no Reino Unido, perguntamos frequentemente aos estudantes sobre de quando é que eles acham que datam as primeiras descrições de “Perturbações de Stress Pós-Traumático” (PSPT) [Post-Traumatic Stress Disorder (PTSD)] na literatura especializada.

26As respostas costumam começar com o shell shock [“choque das bombas”] e com os poetas ingleses da primeira Guerra Mundial. Encorajados a regredir um pouco mais no tempo, os estudantes mencionam Dickens e talvez Samuel Pepys – cujos diários registaram o sofrimento e confusão por que passou Londres durante o Grande Incêndio. Uma vez por outra, referem Shakespeare ou a Bíblia.

27De facto, dizemos-lhes, já na longínqua Grécia Clássica, a Ilíada de Homero nos oferece um quadro extraordinariamente preciso de sintomas semelhantes àquilo que hoje designamos PSPT, quando nos descreve Aquiles sofrendo terríveis tormentos psicológicos após a morte do seu amigo Pátroclo e a traição subsequente do Rei Agamémnon (Shay 1994).

28O trauma e o seu impacto são, por outras palavras, tão antigos como a própria humanidade. Se os seres humanos não fossem tão excepcionalmente bons a lidar e a recuperar do trauma, nunca teríamos provavelmente sobrevivido nem evoluído como espécie. As respostas ao trauma estão escritas nos nossos códigos genético e biológico – e nisso, os jornalistas não são diferentes dos outros mortais. As tradicionais fantasias sobre a suposta invulnerabilidade do jornalista e a sua capacidade de desapego objectivo são apenas isso – uma fantasia. O trauma atinge também os jornalistas, que têm especial necessidade de compreender como o modo como reportam o trauma pode ajudar a defnir, e a minimizar, a dor dos outros.

29A PSPT, é importante notar, não constitui, de modo algum, a mais provável consequência de uma experiência traumática. Depressão, ansiedade, problemas de relacionamento, abuso de drogas ou álcool são consequências muito mais prováveis para quem vivencia um trauma profundo. Pode também acontecer o oposto, pois a experiência do trauma pode, a longo termo, suscitar uma maturação pessoal e a uma recuperação total. Daqui provém o termo “maturidade pós­traumática “ (post-traumatic growth). O diagnóstico de PSPT (American Psychiatric Association 2003) não deixa de ser um diagnóstico útil de sensibilização da sociedade para a realidade das respostas de stress pós-traumático à tragédia e ao desastre; e a importância de tratar e apoiar as vítimas e os sobreviventes.

30Tal como costumamos explicar aos jornalistas com quem trabalhamos, a génese da defniçao da PSPT e da sua relaçao com a agenda do trauma e do jornalismo ilustra como este ocorre apenas nas “grandes histórias”, mas também na cobertura jornalística de experiências muito mais íntimas e pessoais.

31No fnal da década de 1960 e no inîcio dos anos 70, vimos mulheres -especialmente nos Estados Unidos da América – falarem, pela primeira vez, de forma aberta sobre as suas experiências de violência sexual, exigindo justiça e mudanças no tratamento e na compreensão social dedicado às vítimas de violação e abuso sexual. Ao mesmo tempo, a sociedade americana começou a reconhecer as devastadoras mazelas psicológicas que a guerra do Vietname tinha deixado em jovens adultos, homens, levados a lutar numa guerra “fútil”.

32Inicialmente, os psiquiatras e psicólogos tentaram encaixar o sofrimento vivido em diagnósticos existentes, tais como a ansiedade, os distúrbios de personalidade, as neuroses de guerra, depressão ou outras categorias. Mas, inspirados tanto por psiquiatras anti-guerra, como Robert Jay Lifon (Lifon, 1970), como pelo cada vez mais visível movimento feminista, os especialistas americanos de saúde mental começaram a perceber que existia algo de comum entre os dois quadros de experiências.

33Talvez, de facto, existisse apesar de tudo um único diagnóstico que pudesse defnir e encapsular o sofrimento experienciado pelos sobreviventes de varias espécies de trauma – e assim abrir caminho, baseado numa formação factual para um tratamento, com o potencial de tratar tanto as vítimas de violação como os veteranos de guerra. O resultado foi a inclusão na terceira edição do Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders (DSM-III), em 1980, da primeira defniçao de PSPT.

34As três principais categorias de sintomas eram defnidas como:

-Re-experimentação intrusiva (por exemplo fashbacks, pesadelos, sofrimento consciente involuntário)

-Entorpecimento/evitaçao (que pode incluir inabilidade para sentir prazer, um sentido de futuro muito curto, uma fuga da intimidade)

-Activamento fsiologico persistente (o chamado fght/fight/freeze) do sistema nervoso autónomo (usualmente envolvendo sensações de náusea, batimentos cardíacos acelerados, respiração e sobressaltos)

35Desde então, o conceito de PSPT evoluiu, transformando totalmente a resposta e o modo de tratamento do trauma nas sociedades ocidentais. Essa atenção começa agora a trazer algumas mudanças ao jornalismo.

Uma breve historia do Dart Centre

36As raízes do Dart Centre provêm do mesmo território de consciencialização dos efeitos traumáticos do legado de guerra dos soldados americanos e as dolorosas experiências de agressão por parte das vítimas de violência sexual. Um dos psiquiatras americanos mais infuentes no processo de consultas que conduziu à aceitação institucional do diagnóstico de PSPT foi o Dr. Franck Ochberg, um clínico de saúde mental, administrador e académico do Estado de Michigan, com uma paixão pela mudança nos retratos de violência armada e sexual nos media dos Estados Unidos.

37Numa altura em que as vítimas de violação nos Estados Unidos da América surgiam nas notícias apenas no bloco informativo dedicado a procedimentos judiciais, e em que tanto os jornalistas como a sociedade retratavam a violação e o abuso sexual como um fado que a vítima havia atraído sobre si mesma, os jornalistas e a sociedade não tinham a mínima ideia sobre o realmente era uma violação.

38Felizmente para aqueles que partilhavam a sua esperança que algo mudasse, Franch Ochberg estava ligado a uma importante família de negócios – os Dart– do Michigan. A família Dart tinha criado uma fundação de caridade que fnanciava generosamente, construîda sobre as raîzes de uma fortuna gerada nos anos cinquenta do século passado pela produção de embalagens para alimentos, e sobretudo, copos de café de esferovite. No início dos anos 90, Ochberg persuadiu a Fundação Dart a investir algum dinheiro inicial na atribuição de um prémio jornalístico, destinado a premiar as melhores coberturas jornalísticas de situações atingindo vítimas de violência. Ochberg esperava que esta iniciativa pudesse servir como uma ferramenta destinada a ajudar os jornais a mudar a sua compreensão da violência. Ou seja, Dart não é um acrónimo para Dark Arts of Reporting Trauma (Artes Obscuras de Reportar o Trauma) ou algo do género, mas um apelido que vê reconhecida a visão e a generosidade de uma família que possibilitou o trabalho do Centro.

39O primeiro Prémio Dart para a melhor cobertura jornalística de vítimas de violência foi atribuído em 1994 e deu lugar a uma nova visão da relação entre jornalismo e trauma. O prémio foi posteriormente alargado à rádio e televisão norte-americanas, existindo planos para o internacionalizar nos próximos anos. Em 1999, o Dart Centre estabeleceu-se na Universidade de Washington, em Seatle, na Costa 0este americana, com o objectivo principal de formar estudantes de jornalismo na cobertura do trauma.

40Subsequentemente, em 2002, o Dart Centre apoiou uma conferência em Londres, intitulada “Emotions, Trauma and Good Journalism” – a primeira do género na Europa. Esta iniciativa levou a que a BBC britânica se tornasse na primeira organização informativa mundial a implementar um programa de formação sobre trauma e a apoiar a preparação de jornalistas para a sua cobertura, ainda nesse ano (Brayne 2004).

41As ideias do Centro circulam actualmente pelas organizações noticiosas e de jornalistas por todo o mundo, desde a Newsweek e o Washington Post nos Estados Unidos, até ao Sindicato Russo de Jornalistas, em Moscovo; desde o novo canal informativo árabe Al Jazeera no Médio Oriente, até a jornalistas africanos exilados em Londres e a jornalistas indonésios formados na Austrália.

42Em Janeiro de 2006, teve lugar a primeira conferência Dart sobre jornalismo e trauma na Alemanha. Em Junho de 2006, em parceria com o Fundo das Nações Unidas para a População (UNFPA), o Centro organizou um muito concorrido workshop em Bruxelas, com a colaboração do Sindicato de Jornalistas Flamengos, sobre violência sexual e de género em situações de guerra.

Educaçao Jornalistica

43Tendo como ponto assente ser necessário alterar a forma como a cultura jornalística herdada do século XIX omite tradicionalmente encarar de face a relação problemática entre trauma e jornalismo, impõe-se que nos perguntemos como e de que forma o poderemos fazer. Os jornalistas necessitam, a vários níveis, de formação na prática de jornalismo de trauma – seja em cursos de comunicação social, seja em acções de formação equivalentes àquelas que, disponibilizadas a outros profssionais, como médicos, advogados, psicoterapeutas, etc., sao assumidas como parte integrante da sua progressão na carreira. Infelizmente, o jornalismo europeu e norte-americano (e provavelmente de outras regiões do globo também) ainda não conseguiu ver este desenvolvimento pessoal continuado como necessario para os jornalistas ja estabelecidos profssionalmente.

44Os jornalistas necessitam de formação sobre como apresentar histórias de trauma psicológico – e de como entender o impacto que o trauma pode ter em pessoas, comunidades e nações. Necessitam de formação sobre como entrevistar e lidar com os sobreviventes e vitímas de trauma – de fazer perguntas compassivas, com preparação adequada, mostrando depois respeito pelas narrativas que ouviram. Necessitam de formação sobre como escrever e como construir reportagens de trauma, usando responsabilidades jornalísticas básicas, se bem que muitas vezes ignoradas, de forma a não as embelezar ou exagerar, ou algo ainda mais comum, sobre estarem atentos à precisão e autenticidades aos detalhes e às frases – nem sempre características do jornalismo europeu mainstream.

45As organizações noticiosas precisam de ser encorajadas a denunciar e a explorar jornalisticamente aquilo a que no Dart Centre chamamos de “Acto II” do trauma – a história do que aconteceu a seguir, a continuação do “Acto I”, que é marcado pelo imediatismo da erupção da violência, dos ferimentos e da dor aguda. Por vezes, a história do “Acto II” é feita de culpa e de sofrimento, mas pode também tornar-se numa narrativa de recuperação e resistência graduais.

46Nas escolas de jornalismo norte-americanas, e mais recentemente na Europa, começam a surgir cursos de formação pioneiros nesta área, envolvendo actores no processo educativo, de forma a fornecer aos estudantes uma experiência realmente vivida e sentida do que signifca fazer a cobertura de um evento traumático, como um ataque terrorista ou a queda de um avião.

47Na Grã-Bretanha, a BBC foi pioneira em cursos de especialização sobre “entrevistas emocionalmente atentas” – que não se devem limitar a puxar pela lágrima no olho do entrevistado, estendendo-se à própria atenção emocional do repórter, à capacidade de a ligar à história individual de trauma, e relatar essa experiência com autenticidade e respeito aos leitores e às audiências.

Dever de cuidar

48A segunda parte da mudança cultural a que nos referimos envolve formação na área do “dever de cuidar” (duty of care) – permitindo e dando mais poder às organizações para que zelem pelas pessoas que se deparam com dor emocional no caminho no seu trabalho jornalístico, tendo como pré-requisitos um conhecimento apropriado, fundamentado do trauma e do seu impacto.

49O Dart Centre tem aprendido bastante com a experiência de uma década das forças armadas britânicas, especialmente no quadro do programa Trauma Risk Management (“Gestão do Risco de Trauma”) dos Royal Marines (Langston 2005). Este programa reconhece que os indivíduos que desenvolvem PSPT ou outros estados traumáticos relacionados com sofrimento psicológico devem ter acesso adequado a tratamento médico, incluindo aconselhamento e psicoterapia. Mas, ainda mais importante, reconhece que a cultura na qual os jornalistas e outros correspondentes que se encontram na primeira linha da ocorrência do trauma trabalham tem de ser uma cultura de apoio, compreensão e compaixão, e que os tabus e estigmas devem ser removidos do sofrimento no qual incorre a reportagem do trauma.

50Eis alguns exemplos provenientes da vida real que têm chegado ao Dart Center (os nomes e os detalhes foram alterados, de forma a proteger as identidades dos jornalistas envolvidos):

-John era um fotógrafo cobrindo meses de violentos protestos contra a construção de uma nova central eléctrica no limite da sua cidade. Certo dia, as forças policiais abriram fogo sobre os manifestantes, com balas de borracha, e John foi atingido na cara. Alguns meses mais tarde, começou a sofrer de insónias e perdeu interesse pelo seu trabalho. Começou a ter menos paciência para com a sua mulher e flhos, e a agir de forma agressiva para com os colegas. Sentia-se preso num estado emocional opressivo.

-Alice era uma jovem e talentosa jornalista que primava pela excelência na cobertura de histórias de violência. Foi uma repórter-estrela durante a guerra na Bósnia e mais tarde foi enviada para o Afeganistão, para cobrir o envio da força de manutenção de paz, em 2002. Após uma série de curtas missões, Alice tornou-se incapaz de se concentrar ou de tomar decisões. Ela e os seus chefes reconheceram que tinha desenvolvido PSPT, tendo demorado três meses a recuperar.

-Mathew era editor a tempo parcial numa agência noticiosa. Durante uma noite de serviço, recebeu e editou uma cassete de vídeo mostrando a decapitação de um refém norte-americano, aprisionado por raptores no Iraque. Nas semanas que se seguiram, não conseguiu tirar as imagens da sua mente, e fcava nervoso de cada vez que tinha de editar um vídeo proveniente do Iraque, temendo que mostrasse outra decapitação. Hesitou em discutir o assunto com os colegas, temendo que o tomassem por um fraco. Pensou que poderia perder o emprego, caso falasse do assunto com o chefe.

-Para Renata, foi a cobertura do julgamento de um homem que tinha abusado da propria flha, com apenas 10 anos na altura dos factos, que quase lhe destruiu a carreira. Tinha efectuado um excelente trabalho nas sessões do julgamento, durante o qual tinha escutado testemunhos que revelavam um sofrimento intenso. Compreendeu que isso lhe recordava algo da sua própria experiência enquanto criança às mãos do seu padrasto. Nos meses seguintes, foi atormentada por terríveis pesadelos e sintomas físicos de náusea e ansiedade; sentindo-se confusa, amedrontada, e incapaz de falar no assunto.

-David, Klara e Melissa faziam parte de uma equipa de produção televisiva que passaram vários meses preparando um documentário sobre uma divisão policial em Amesterdão. Para recolherem o seu material jornalístico, juntaram-se a raids policiais por toda a Holanda, descobrindo provas e vídeos dos mais chocantes abusos. Viram gravações de recém-nascidos a ser violados, de jovens raparigas algemadas a ser violadas em grupo perante a câmara. Os polícias já estavam habituados a lidar com estas imagens, e os jornalistas pensaram que também já estavam. Contudo, no fnal do projecto, os três produtores precisavam urgentemente de apoio psicoterapêutico para ultrapassar o sofrimento que estes visionamentos lhes infigiram.

51Todos estes indivíduos precisaram, mas nem sempre obtiveram – pelo menos no momento necessário – apoio e compreensão, tanto dos colegas como das instituições para as quais trabalhavam. Na maioria dos casos, recuperaram após algumas semanas, graças ao apoio das suas famílias, dos amigos e dos colegas. Contudo, com apoio exterior, incluindo formação e trabalho terapêutico regular, as suas experiências de sofrimento poderiam ter sido reduzidas. Além disso, a qualidade do seu trabalho jornalîstico poderia também ter benefciado dos ensinamentos básicos sobre trauma psicológico.

Mudança de Cultura

52Como podemos então alterar esta cultura? A partir da experiência dos Marines britânicos, a BBC e outras agências informativas começaram, com o apoio do Dart Centre, a oferecer aos seus jornalistas acções de formação para o trauma, dedicada aos administradores e editores, introduzindo-os às noções básicas do trauma e dos seus efeitos, bem como a quais as melhores forma de preparar e apoiar aqueles que são enviados para cobrir histórias de sofrimento psicológico.

53Aos administradores e os editores são dadas ferramentas básicas para que informem as suas equipas e repórteres antes de uma missão – quer seja no Afeganistão ou no Iraque; quer seja o julgamento de um assassino ou um documentário sobre o cancro. É-lhes ensinado como apoiar os jornalistas enviados durante o projecto ou viagem, e, mais importante, como falar com eles após a sua experiência.

54Equipados com os meios intelectuais necessários para atender aos sintomas de sofrimento causado pelo trauma, os administradores e colegas podem assim, gradualmente, normalizar a experiência do trauma na redacção ou no estúdio, e assegurar que a minoria que realmente necessita de apoio profssional especializado seja encorajada a procurá-lo, sem ter de recear pela sua reputação ou pela sua carreira.

55Neste aspecto, o próprio Dart Centre também aprendeu muito com a mais recente pesquisa sobre trauma, que evidencia claramente como a maioria das pessoas, na maior parte do tempo – jornalistas incluídos – lida razoavelmente bem com o trauma, especialmente se possuem apoio social e um entendimento simples daquilo com que estão a lidar.

56Uma minoria – se bem que por vezes, no caso de repórteres de guerra, uma minoria muito signifcativa, estima-se 25-30% da classe - pode vir a desenvolver sintomas de sofrimento psicológico mais sérios e alargados temporalmente (Feinstein, Owen & Blair 2002).

57É importante que recebam a ajuda que necessitam, e que esta ajuda esteja actualizada em relação às descobertas mais recentes. Logo, a oferta de aconselhamento confdencial, se bem que sendo valiosa e importante, nao deve estar no centro da política de resposta ao trauma de uma organização noticiosa.

58De facto, o uso rotineiro de briefngs psicológicos – no qual os sobreviventes ou vitímas do trauma são reunidos de forma a reviver e a trabalhar emocionalmente as suas experiências – não é já recomendado. O estudo de muitos casos deste tipo sugere que por vezes o recurso a briefngs deste género pode contribuir para piorar, em vez de melhorar as situações emocionais de indivíduos atingidos por PSPT (Ehlers & Clark 2003).

59As organizações noticiosas devem concentrar-se, sobretudo, em oferecer auxílio, quando ele é comprovadamente necessário, através do recurso a profssionais de aconselhamento e de saude mental, mas mantendo-se elas próprias nos bastidores.

Jornalismo e Terapia – alguns pensamentos conclusivos

60Contra este conjunto de recomendações práticas, poder-se-ia argumentar que a psicoterapia tem mais em comum com o jornalismo do que muitas outras profssões, tais como a enfermagem, a medicina, a religiao, educaçao ou trabalho social. Os terapeutas e os jornalistas têm no coração um chamamento muito similar – o de contar uma história e construir uma narrativa – e têm mais a aprender uns com os outros do que aquilo que possa ser confortável admitir.

61O terapeuta, por exemplo, escuta o seu cliente debater-se para juntar peças fragmentadas de uma narrativa, de encontrar um sentido na sua vida. O terapeuta leva esses retalhos de narrativa até ao paciente, permitindo-lhes interagir, consciente e inconscientemente, com a sua experiência, com a sua formação, com as suas ideias e intuições especialmente bem informadas.

62O terapeuta luta então por oferecer um sentido de realidade ao paciente, criando conexões e sentidos, ajudando-o a de forma gradual a contextualizar as suas experiências traumáticas. Um bom jornalista faz algo muito semelhante com a história que procura cobrir. Ouve a história e os seus actores a debaterem-se com os acontecimentos e com suas memórias, de forma a criar a sua própria narrativa, integrando vozes fragmentadas, criando um drama com principio, meio e fm.

63O mau jornalismo – tal como a má terapia – retira conclusões apressadas, difunde meias verdades e distorções, e mostra-se desrespeitoso para com a realidade vivida pelas pessoas com quem contacta (as suas “fontes”).

64O trauma e a sua experiência são um elemento fundamental da condição humana. Tal como notou recentemente o Conselho Mundial das Igrejas no seu relatório A Decade to Overcome Violence (Mavunduse & Oxley 2002):

A Violência repele-nos, mas também nos atrai; A Violência alarma-nos, mas também nos entretém; A Violência destrói-nos, mas também nos protege.

65Os jornalistas e os meios de comunicação enfrentam um dilema espinhoso neste inîcio de século: como refectir as sedutoras atracções e, ao mesmo tempo, a realidade da violência, sem as trivializar ou sensacionalisar, ou misturar de forma gratuita a dor em que já incorreram as vítimas do trauma. Mais do que nunca,

66o jornalismo tem perante si próprio a responsabilidade profunda de procurar entender a violência e o trauma, e de ajudar a humanidade a perceber e nomear as suas causas e consequências.

67É tempo de mudar o entendimento e a consciência do jornalismo do trauma, e o trauma do jornalista. Os primeiros passos já foram dados.

Topo da página

Bibliografia

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION (2003). Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders, (DSM-IV-TR), quarta edição revista. Washington, D.C.: American Psychiatric Association.

BRAYNE, MARK. (2004). In Counselling at Work Journal. Tackling the Macho Culture. Manuscrito não publicado.

EHLERS A & CLARK D, (2003). “Early psychological intervention for adult survivors of trauma – a review”. in Biological Psychiatry, 53 (9): 817-26.

FEINSTEIN, A., 0WEN, J., & BLAIR, N. (2002). “A Hazardous Profession: War, Journalists, and Psychopathology”, in American Journal of Psychiatry, 159(9).

LANGSTON, VICKY (2005). [Counselling at Work Journal Puting the Psychological Aspects of Trauma Management into an organisational context, a standardised approach.] dinsponîvel na internet em www.counsellingatwork.org.uk/ journal pdf/acw summer05 h.pdf. Consultado em 5/12/08.

LYNCH, JAKE AND MCGOLDRICK, ANNABEL (2005). Peace Journalism. New York: Hawthorne Press.

MAVUNDUSE, DIANA AND 0XLEY, SIMON. (2002). Why Violence? Why Not Peace? Geneva: World Council of Churches.

PALM KM, POLUSHY MA & FOLLETTE VM, (2004). “Vicarious traumatisation: potential hazards & interventions for disaster & trauma workers”, in Prehospital & Disaster, 19 (1): 73-8.

PEARLMAN, LAURIE ANNE & MACIAN, PAULA S. (1995). “Vicarious traumatisation: an empirical study of the efects of trauma work on trauma therapists", in Professional Psychology, Research and Practice, v26. n6: pp. 558 (8).

ROSE S, BISSON J, CHURCHILL R & WESSELY S. (2002). "Psychological debriefng for preventing post traumatic stress disorder (PTSD)”, in The Cochrane database of systematic reviews, (2), Issue 2. Art. No.: CD000560. D0I: 10.1002/14651858.

SHAY, JONATHAN (1994). Achilles in Vietnam. Combat Trauma and the Undoing of Character. New York: Simon & Schuster.

ZIMERING, ROSE (2003). “Secondary Traumatisation in Mental Health Care Providers”, in Psychiatric Times, April, 1: p. 43.

Topo da página

Notas

1 Ver, por exemplo, o Daily Telegraph de 25.08.06, sobre a libertação de uma adolescente aprisionada durante oito anos, na Âustria. 0 jornalista afrmava que a mae "chorava ao dizer que nao tinha ainda assimilado a libertaçao da sua flha".

2 Ver, por exemplo, The Independent de 23.08.06, sobre a queda de um avião russo, a notícia dizia que “os familiares das vítimas juntaram-se no Aeroporto Pulkovo, em São Petersburgo, durante a última noite, sendo-lhes

3 BBC Radio 4, PM Programme, 09.10.2004.

4 Ver Dart Centre for Journalism and Trauma, 15.07.2005 htp://www.dartcenter.org/articles/head­lines/2005/2005 07 15.html.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Mark Brayne, « Emoções, trauma e bom jornalismo », Cadernos de Estudos Africanos, 15 | 2008, 31-46.

Referência eletrónica

Mark Brayne, « Emoções, trauma e bom jornalismo », Cadernos de Estudos Africanos [Online], 15 | 2008, posto online no dia 03 Fevereiro 2012, consultado o 28 Maio 2017. URL : http://cea.revues.org/363 ; DOI : 10.4000/cea.363

Topo da página

Autor

Mark Brayne

Director europeu do Dart Centre for Journalism and Trauma

Topo da página

Direitos de autor

Licença Creative Commons
O trabalho Cadernos de Estudos Africanos está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Topo da página